in ,

Artigos 52 e 53 do Código Penal

img_0830 Artigos 52 e 53 do Código Penal

Artigos 52 e 53 do Código Penal e legítima defesa.

Legislação relativa ao campo da autodefesa.

52+53 não faz 105, observa a legislação relativa ao campo da legítima defesa.

Existem dois artigos do Código de Processo Penal que é essencial conhecer e analisar antes de cometer um erro legal em legítima defesa: o artigo 52 e o artigo 55.

Porque tudo bem saber como se defender, tudo bem fazer cursos, mas também não faz sentido arruinar sua vida por um tolo quando você pode deixá-lo ir, mas você corre o risco de ir contra sérios problemas legais mesmo que seu ego esteja feliz por ter dividido a cabeça daquele valentão, ou aquele delinquente.

Por que digo isso?

Porque você deve estar ciente de que você está do lado do certo ou errado no momento em que você reagir você ainda será submetido a um julgamento para apurar os fatos.

Nosso sistema jurídico garante a todos o direito à autodefesa, o que é considerado um “discriminador”.

Isso significa que até assassinato pode ser legal se for cometido para proteger a vida de alguém.

Mas a defesa legítima é permitida pelo código com um limite preciso:

a reação, ou seja, deve ser proporcional ao delito; caso contrário, o excesso de defesa poderia constituir um caso de crime culposo.

ARTE. O artigo 52 do Código Penal diz:

“Não é punível quem cometeu o ato por ter sido forçado pela necessidade de defender um direito próprio ou de outros contra um perigo atual de um delito injusto, desde que a defesa seja proporcional ao delito.”

Agora vamos analisar as palavras-chave que podem ser interpretadas e as explicações que derivam delas também podem levá-lo a se tornar uma vítima que reagiu a um acusado em um julgamento:

  • A palavra Necessidade: O artigo especifica que para intervir é preciso ser forçado por necessidade. Qualquer situação em que seja aplicada uma técnica de autodefesa que não seja inequivocamente necessária para resolver a situação perigosa corre o risco de incorrer nas penalidades previstas no Código Penal.
  • A palavra Defender: A intervenção só se justifica se realizada em defesa do próprio direito ou dos demais. Só para ficar claro, o artigo 52º é inaplicável ao provocador ou àqueles que assumem um desafio, mas também àqueles que voluntariamente se colocam em uma situação em risco prevista e aceita (por exemplo, “vê-lo fora …”). Então, como você pode dizer se você aceita uma provocação você é colocado no mesmo nível que o que ofendeu ou tocou a bunda de sua namorada.
  • A palavra Perigo Atual: A intervenção deve ocorrer no momento e no momento, e deve enfrentar uma situação de perigo real à segurança pessoal. Em nenhum caso é permitida uma intervenção posteriori, que seria considerada (e com razão) como vingança ou retaliação.
  • A palavra Ofensa Injusta: É a palavra-chave mais sibylline, e aquela que causa as maiores dificuldades de interpretação. Para não cometer erros de avaliação, considere para “delito injusto” um comportamento em detrimento da pessoa, contrariando as leis vigentes. Eu sei que você não entendeu uma foda!
  • A palavra Defesa proporcional ao ataque: Este conceito é simples de ler, muito difícil de aplicar. O resultado da maioria dos processos depende da interpretação desse aspecto da situação. A extensão do perigo e os meios utilizados para lidar com ele, bem como as condições dos sujeitos envolvidos (físico e psicológico) devem ser cuidadosamente avaliados.

ARTE. O artigo 55 do Código de Processo Penal, por outro lado, diz:

“Quando, ao cometer qualquer um dos atos previstos nos artigos 51, 52, 53, 54, os limites estabelecidos por lei e pela ordem da autoridade forem excedidos, as disposições relativas aos delitos culposos serão aplicadas se o ato for previsto em lei como crime culposo.”

Agora vamos analisar as palavras-chave deste artigo novamente:

– A palavra Excesso de defesa: Este é o ponto mais crucial e delicado das disputas judiciais no campo da defesa contra a agressão.

Trata-se de avaliar a proporção (ou desproporção) entre os meios defensivos disponíveis ao atacado e aqueles realmente utilizados, em relação aos meios disponíveis ao agressor.

Na análise do caso é necessário levar em conta uma série de circunstâncias:

  • Itens disponíveis,
  • Força física
  • Habilidades das pessoas envolvidas,
  • Condições meteorológicas e locais,
  • Modo e tipo de agressão.

Agora algumas considerações que eu acho que já vieram à sua mente.

Pelo que você leu acima, ele claramente emerge que a mesma situação vivenciada por diferentes assuntos, como um veículo válido por idosos ou com problemas de saúde ou um boxeador profissional, levará a diferentes resultados legais.

Tudo isso é absolutamente correto, mas como não há lista que seja muito complicada de alcançar, do que é legal e do que não está em situações individuais, o julgamento final em um julgamento hipotético dependerá quase totalmente da interpretação que o juiz dará aos fatos e à defesa.

Dito isso, a melhor escolha que recomendo é dar-se à fuga se for possível fazê-lo.

É, de fato, um agravante bastante grave para justificar o fato de que você voluntariamente permaneceu em uma situação de risco (ver art.52), quando você poderia escapar.

O que você precisa defender é sua segurança, não sua imagem ou seu orgulho.

A única justificativa aceita para uma renúncia de fuga (se possível, é claro) é no caso de sua fuga expôs você a um risco maior do que o atual, tanto você quanto outras pessoas com você.

Por exemplo: risco de problemas cardio circulatórios, asma, riscos relacionados ao local (se você fugir à noite em uma floresta que você não conhece no escuro), ou o risco de que o agressor para sua fuga se refira a pessoas menos adequadas do que você para enfrentar a situação (se eu for atacado à noite em um parque e você estiver com duas crianças brincando … mas o que você faz com duas crianças em um parque à noite sozinho??).

Ps. Autodefesa também é isso.

O artigo 52 DA IN de 2006 passou por uma importante integração ao inserir alguns parágrafos relativos à defesa e proteção da propriedade privada.

“Nos casos previstos no primeiro e segundo parágrafos do artigo 614º, a razão de proporção referida no primeiro parágrafo deste artigo existirá se alguém legalmente presente em um dos locais referidos a ele usar uma arma legalmente detida ou outros meios adequados para defender:

a) segurança própria ou de outros;

b) propriedade própria ou de outros, quando não há avasist e há perigo de agressão. A disposição referida no segundo parágrafo também será aplicada quando o evento ocorreu em qualquer outro local onde seja realizada uma atividade comercial, profissional ou empreendedora”.

Assim, a razão de proporção à qual a primeira parte se refere é a da defesa proporcional ao delito.

Afirma-se, portanto, que essa proporção existe (e não caduca) mesmo que o cidadão, dentro de sua casa, escritório ou loja, use uma arma legitimamente mantida para se defender.

Os dois subpontos a e b prestam atenção porque são cruciais para entender os limites do uso de uma arma como possibilidade:

Deve haver uma ameaça real à segurança do ataque, e o agressor, convidado a desistir da tentativa de roubo, não pretende desistir de sua ação e, em vez disso, ameaça a agressão.

Isso significa que não é possível, por exemplo, atirar em um ladrão que entra na minha casa pelo único fato de ter violado propriedade privada.

Mas se ele entrar na minha casa, eu tiro uma arma regularmente, eu digo para ele sair e ele pula em mim com uma faca, agora por lei eu posso atirar, enquanto antes eu teria girado direto para a cadeia.

Esta medida levantou um debate e ainda é hoje depois de muitos anos, e muitos já na época ficaram indignados por chamá-la de lei do “extremo oeste”.

Creio que deve ser dada atenção a esta questão.

A lei não incentiva o tiro, nem a disseminação de armas, mas garante o direito de usar uma arma já possuída se uma pessoa violar os limites da minha propriedade e representar uma ameaça com a certa intenção de causar dano e ser um perigo.

Acredito que um cidadão tem o direito de proteger seus entes queridos e sua casa porque um delinquente não tem o direito de entrar na minha casa e estuprar minha filha enquanto dorme e roubar tudo de mim, ele deve saber que se ele quer tentar fazê-lo ele corre o risco e é certo que ele paga as consequências.

O que precisa ser revisto são os métodos de emissão da licença de armas que também devem exigir para os proprietários de armas em casa dos mais altos níveis de controle, o que muitas vezes não acontece deixando armas para pessoas que não são psicologicamente estáveis.

Agora, para concluir, quero que saiba de uma coisa, qualquer que seja o seu objetivo é trazer para casa sua pele e a de seus entes queridos, fugindo, batendo, ou de qualquer forma, permite que você saia de uma situação ruim.

O julgamento com você inválido, morto, ou com a garota que sofreu violência mesmo que com uma condenação por esses atordoadores eu não acho que lhe daria satisfação comparado a saber que você saiu vitorioso ou fugindo ou tornando esta escória inofensiva.

Faça isso de forma saudável e viva o processo.

SE VOCÊ PODE EVITAR, MAS SE VOCÊ NÃO PODE PENSAR EM LEVAR SUA PELE PARA CASA!!

Fiquem atentos! Artigos do Código Penal e legítima defesa!

Street Fight Mentalidade e Esporte luta

Andrea

What do you think?

Written by Andrea

Instructor and enthusiast of Martial Arts and Fight Sport.

- Boxing / Muay Thai / Brazilian Jiu Jitsu / Grappling / CSW / MMA.
- Self Defence / FMA / Dirty Boxing / Silat / Jeet Kune Do & Kali / Fencing Knife / Stick Fighting / Weapons / Firearms.

Street Fight Mentality & Fight Sport! State Of Love And Trust!

Other: Engineer / Professional Blogger / Bass Player / Knifemaker

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *