in

Estuprador, na cabeça do agressor sexual

estuprador

Estuprador,na cabeça do agressor sexual.

Na cabeça do estuprador.

As motivações psicológicas comuns em casos de violência sexual!

Estamos falando de estupro, uma das violências que continua presente em todas as sociedades ao redor do mundo e que marca profundamente as vítimas desse tipo de violência.

Hoje, a situação certamente não melhorou a situação graças às redes sociais e ao uso dedrogas.

Se você seguir o blog até agora você vai saber que eu estou dedicando artigos específicos sobre o tema da autodefesa feminina.

Estou ciente de que este trabalho infelizmente não é suficiente para mudar ou parar a agressão sexual ou violência sexual mas espero, de alguma forma, contribuir para tornar o mundo feminino mais consciente, dando-lhe ferramentas que tornam a vida mais complicada, se não impossível para esses babblers.

Embora não haja justificativa para aqueles que cometem violência sexual, as motivações por trás desse comportamento desprezível podem ser e são diferentes.

Os comportamentos humanos são muito variados e, em alguns casos, imprevisíveis!

 

O espaço íntimo da pessoa

Desde estupro, assassinato à parte, é a agressão mais intrusiva do espaço mais íntimo de uma pessoa, é importante não apenas a análise cuidadosa da personalidade e do ambiente do agressor, aspectos sobre os quais os estudos criminológicos de natureza psicológica, psiquiátrica e sociológica têm se baseado por muitos anos, mas também um estudo aprofundado da vítima de agressão sexual, com suas características e comportamentos.

É nesses aspectos que pode ser baseado um estudo técnico sobre autodefesa das mulheres com base em elementos objetivos e não em fantasias cinematográficas.

São as únicas coisas que você pode controlar, o que você faz.

Só para entender melhor o triste fenômeno nasceu também a disciplina que leva o nome da vitimologia, ramo da psicologia e criminologia que estuda a relação entre vítima e criminoso e as consequências psicológicas e sociais sobre as pessoas envolvidas.

Uma disciplina que tem como objeto o estudo da vítima de um crime, sua personalidade, suas características biológicas, morais, sociais e culturais, sua relação com o criminoso e o papel que assumiu na gênese do crime.

A partir do contexto, também é essencial analisar a dinâmica do que aconteceu, os lugares, os tempos, os eventos não só psicológicos, pois certamente há ações e atenções que se feitas limitam a capacidade de agir de muitos estupradores.

A vitimologia estuda a vítima a partir de três pontos de vista:

  1. Diagnóstico;
  2. Citação;
  3. Re-Parativo.

Nunca há uma única razão para que os estupros ocorram e como ocorrem.

As motivações psicológicas comuns daqueles que fazem violência sexual estão relacionadas à oportunidade, transtornos emocionais, luxúria, e isso acontece por todas essas razões ou, às vezes, para nenhuma delas, mas a raiva é um elemento sempre presente entre todos os tipos de agressão sexual.

estuprador

5 perfis de agressores sexuais que podem ser classificados em quatro categorias:

O compensador:

Ele não deve ser considerado um tolo, ele tem problemas.

É uma maneira sorrateira usada por pessoas que geralmente se conhecem.

Ele não quer te machucar, várias vezes, na verdade, durante o estupro, ele garante que você está bem, que você está confortável, que “o que ele está fazendo com você” é do seu agrado.

Quando ele terminar, enquanto se afasta de cima do seu corpo, ele está feliz por ter conhecido você.

Ele, o compensador,naquele momento é o seu amigo mais próximo.

“Deus… Foi a coisa mais excitante que já fiz. Você está bem? Devemos fazer de novo, às vezes…».

Pensando que você gostou também, ele até deixa o número de telefone dele.

Nos dias seguintes tente entrar em contato para ter certeza de que você está bem.

Perfil psicológico

  • Vem de famílias onde ambos os pais estão presentes;
  • Ele muitas vezes vive na casa de seus pais;
  • Ele não é atlético e tem um caráter passivo;
  • Ele tem poucos amigos e nenhum parceiro sexual;
  • Ele passa a maior parte do tempo em sites pornográficos;
  • Ele faz um trabalho modesto, mas é considerado um trabalhador confiável;
  • Mostra uma multiplicidade de desvios sexuais, incluindo exibicionismo e voyeurismo.

Implementação de procedimentos

  • Ela tem baixa autoestima, o objetivo do estupro é aumentá-lo;
  • Ele usa apenas a força necessária para alcançá-lo;
  • Ele não usa armas e leva troféus com os quais reproduzir, em casa, a libido da experiência;
  • Estupro é a expressão de suas fantasias;
  • Ele fala com bondade e se preocupa com o bem-estar físico da vítima;
  • Ele escolhe vítimas de sua própria idade, raça, e que vivem por perto;
  • Ele geralmente comete estupros à noite, com uma cadência média de 7 a 15 dias entre eles;
  • Ele pode tentar entrar em contato com a vítima mais tarde para ter certeza de que ele está bem, convencido de que ele gostou;
  • Ele mantém um diário no qual registra os nomes e detalhes do estupro;
  • Continuará até ser parado…

A reação apropriada

Diante do estupro não há reação apropriada.

No entanto, o compensadornão é violento.

Ele é um homem passivo, que estupra para se sentir mais como um homem.

Neste caso, uma reação decisiva da vítima pode colocá-lo em fuga.

Na dúvida, porém, é melhor abster-se da violência para não provocar o estuprador, provocando uma reação ainda mais violenta ou letal.

 

O Raivoso (IRA):

Esse perfil de agressor é o mais cruel.

A violência é uma forma de manifestar e descarregar sentimentos intensos de raiva, raiva, desprezo, ódio e frustração.

A agressão é caracterizada por brutalidade excessiva.

Muito mais força física é usada para cometer o ataque do que seria necessário para simplesmente sobrecarregar e dominar a vítima.

Agressão sexual para esta categoria de estupradores parece mais uma coisa impulsiva do que premeditada.

Muitas vezes, a vontade de cometer tais atos pode ser determinada pela relação problemática com uma mulher proeminente na vida do agressor (sua mãe, sua esposa, sua namorada, ou sempre ser rejeitada).

A raiva resultante que é liberada e descarregada através de uma agressão sexual contra uma vítima que pode não ser a pessoa real contra quem ele guarda tais sentimentos.

Sexo se torna como uma arma e estupro é o meio pelo qual ele pode prejudicar, humilhar e degradar sua vítima e, através dela, a pessoa real a ser atingida.

Contentamento e alívio vêm da descarga da raiva em vez do prazer sexual real.

Feio amaldiçoado. Espere, pegue isso! Você sente, hein, você sente?!».

Perfil psicológico

  • Ele tem uma situação familiar problemática;
  • Ele foi geralmente criado por um pai solteiro e, devido às experiências relacionais com essa figura de referência, desenvolveu sentimentos de hostilidade em relação às mulheres em geral;
  • Ele se considera vigoroso e viril, muitas vezes dedicando-se a atividades esportivas que envolvem contato físico;
  • Ele pode ser casado e geralmente não é agressivo com seu parceiro;
  • Ele tem vários casos extraconjugais;
  • Ele tem um temperamento violento e orientado para a ação.

Implementação de procedimentos

  • Ele tende a cometer estupros em sua própria área;
  • Os ataques são repentinos e não planejados;
  • O objetivo principal é fazer mal;
  • Ele humilha e degrada a vítima, insulta-a, rasga suas roupas e soca-a;
  • Depois de subjugar a vítima, a degradação pretende aumentar sua excitação e incutir terror na vítima;
  • O estuprador sente a necessidade de manifestar sua raiva de muitas maneiras, por exemplo, ele pode estuprar a vítima anally e, em seguida, forçá-la a praticar uma relação oral para finalmente vir à sua cara;
  • Ele está procurando por mulheres de raça e idade semelhantes às suas ou mais velhas;
  • Após o estupro, ele não tenta entrar em contato com a vítima;
  • O intervalo entre os estupros é tipicamente de seis meses ou um ano.

A reação apropriada

Uma reação decisiva ou violenta, por parte da vítima, só pode animá-lo.

Mesmo ficar inerte não é uma boa ideia.

Estupro só pode acabar mal.

Não estamos falando apenas de violência sexual, o que já seria suficiente, mas de um longo prognóstico devido a espancamentos, ou até mesmo à morte.

Se puder, terá que aproveitar todas as oportunidades para escapar.

 

O Governante

Ele emprega a força necessária para sobrecarregar a vítima e controlá-la.

O agressor coloca a vítima (através de ameaças verbais, intimidação com arma ou por força física), em uma situação em que ele não pode recusar ou resistir a ele e isso lhe dá uma sensação reconfortante de poder, segurança, força, autoridade e controle.

Dessa forma, ele compensa os sentimentos subjacentes de incapacidade, vulnerabilidade, fraqueza e desamparo.

A violência sexual cometida durante as guerras geralmente se enquadra nessa categoria.

O ataque é geralmente premeditado e precedido por uma fantasia obsessiva na qual, embora a vítima possa inicialmente resistir, uma vez sobrecarregada, ele se submeterá com gratidão.

O agressor autoritário poderia de fato escolher uma vítima submissa.

“Pare de reclamar e chupar, vadia. Tão bom… Agora, vire-se. A beleza vem agora”.

Perfil psicológico

  • Ele cresceu em famílias de pais solteiros ou em famílias adotivas;
  • Ela muitas vezes sofreu abuso na infância;
  • Ele tem problemas domésticos e pode ter tido um casamento infeliz;
  • Ele é um narcisista;
  • Ele busca a confirmação de sua imagem machista, frequenta clubes para solteiros, fala alto e tem comportamento barulhento;
  • Dirija um carro esportivo, tente dar uma imagem de sucesso;
  • Ele trabalha estritamente associado à masculinidade, como na polícia ou no exército, ou na indústria da construção;
  • Ele pode usar um uniforme de algum tipo para fortalecer sua percepção de masculinidade.

Implementação de procedimentos

  • Ele adocchia e rebocar a vítima desavisado;
  • O ataque é uma mistura de violência física e verbal, se a vítima reagir aumenta a violência para sobrecarregá-la;
  • Pode estuprar a mesma vítima em várias ocasiões;
  • Estupra a mulher principalmente vaginalmente;
  • Ele pode sofrer de ejaculação tardia e como sexo oral muito;
  • Ele escolhe vítimas predominantemente de sua idade ou mais jovens;
  • Sexo é um ato predatório e impulsivo;
  • A principal motivação é exercer o poder “caçando”;
  • O intervalo entre os estupros é geralmente de 20 a 25 dias;
  • Força a mulher a uma atitude colaborativa;
  • O nível de violência aumenta com o tempo e o estupro;
  • Ele carrega com ele uma arma com a qual ameaçar a mulher;
  • Ele não esconde sua identidade, ele se sente seguro, ele pensa que aterrorizando a vítima ele não vai falar;
  • Ele não sente remorso, não coleciona troféus, não escreve diários.

Reação apropriada

Repetindo o conceito de que não há formas adequadas de lidar com o estupro e que o limite das categorias é desconsiderar as variáveis, porém, neste caso, uma atitude submissa e colaborativa pode salvar a vítima e reduzir o nível de violência.

Você vai denunciá-lo depois…

 

O Sádico

Eclode agressão através da violência sexual.

O agressor recebe satisfação e prazer pelo abuso da vítima.

Seu ataque é deliberado, premeditado e calculado.

Para este tipo de agressor, raiva e dominação são sexualizadas em relação à intensa gratificação que ele obtém de dominar, ofender, prejudicar e humilhar sua vítima.

“Ssh, não tenha medo, querida, eu não vou te machucar… Eu prometo, eu prometo. Você se importaria de me entregar sua mão? Quieto, quieto… tudo vai ficar bem. Tão bom. Agora, qual dedo você prefere começar?

Perfil psicológico

  • A maioria cresceu em famílias de pais solteiros (um pai);
  • A maioria sofreu abusos repetidos na infância;
  • Um grande número deles se manifestou na adolescência uma série de desvios sexuais;
  • Como adulto, o sádico, é casado e é considerado um bom homem de família;
  • Ele vive frequentemente em uma área residencial do tipo burguesa, tem uma educação acima da média e realiza um trabalho administrativo;
  • Ele mostra uma personalidade compulsiva e é sempre muito arrumado;
  • Ele é inteligente e não tem antecedentes criminais;
  • Ele planeja, nunca vai além dos limites do plano e muitas vezes consegue se safar.

Implementação de procedimentos

  • Junto com o estupro, ele quer mandar uma mensagem;
  • O objetivo é causar o maior nível de dor possível;
  • Se ele não for pego, mais cedo ou mais tarde ele vai matar;
  • Ele se move de carro;
  • Ele escolhe cuidadosamente a vítima, verifica a área, garante que tudo corra de acordo com o plano;
  • Ele também gosta de se mudar muito longe de casa;
  • Para aterrorizar mais a vítima, use mordaças, fitas e outras ferramentas do “Kit do estuprador perfeito”;
  • Antes de colocá-lo em ação, o sádico gosta de dizer o que ele vai fazer com ela;
  • É ritualístico;
  • Tente se comunicar com a vítima para fazê-la dizer coisas que aumentam sua libido;
  • Muitas vezes força a mulher a fazer sexo oral antes de estuprá-la;
  • Pode sofrer de ejaculação retardada;
  • Quanto mais ele se compromete, mais sofisticado ele se torna;
  • Pode usar drogas;
  • Ele muitas vezes se torna um assassino em série.

Reação apropriada

Fuja ou mate-o.

Na sua cabeça você só tem que pensar em fugir ou:

Mate o estuprador! então mate o estuprador! ou matar o estuprador! e matar o estuprador! então novamente matar o estuprador! e matar o estuprador! então novamente matar o estuprador! e matar o estuprador! ainda mate o estuprador! Mate o estuprador! e matar o estuprador!

Você vai pensar sobre o resto mais tarde.

 

O Oportunista

Provavelmente a razão mais comum para uma agressão sexual é a possibilidade.

Frequentemente tais assaltos são realizados durante a perpetração de outro crime (por isso, um roubo, um roubo, etc.).

Ps. Essas categorias representam apenas uma tentativa um tanto simplista dos estudiosos de trazer diferentes comportamentos de volta para categorias mais fáceis de gerenciar. Como em qualquer categoria, o sujeito pode se desviar do comportamento descrito, pode haver na lista de características das variáveis não levadas em conta, ou o mesmo indivíduo pode se enquadrar em mais de uma categoria.

A reação apropriada – Inserida de acordo com o perfil, deve ser tomada com a devida cautela.

É quase impossível reconhecer o tipo de estuprador durante um estupro e uma avaliação incorreta da vítima pode ter sérias consequências dramáticas.

Ao contrário do passado, no qual a mulher foi aconselhada a reagir violentamente (é assim que os grupos de autodefesa femininos nascem, muitas vezes enganando as pessoas), ou mesmo antes, quando foi recomendado permanecer inerte e esperar o estuprador terminar, hoje é recomendável fugir e usar um nível limitado e direcionado de violência para distrair o estuprador o tempo que leva para fugir.

A contextualização da reação

Toda reação deve ser contextualizada, caso a caso, mas está muito ligada à sua real capacidade de reagir, ao contexto, à presença de armas, e à possibilidade de que ela possa nascer ou que deve ser criada, mas a reação requer treinamento que não pode ser feito com o curso de domingo e com pessoas altamente qualificadas.

Ninguém deve se dar ao luxo de vender cursos sob a ilusão das pessoas porque significa que você está colocando as pessoas em perigo!

Infelizmente, não há sugestões válidas que possam ser dadas nestes casos, exceto uma:

Denuncie a violência!

Uma porcentagem substancial de vítimas, na verdade, que são perigosamente próximas de quase todos os estupros, nunca relatam o ataque, apesar de saberem sua identidade.

Desta forma, você lhes dá a oportunidade de continuar, para que eles nunca sejam pegos, colocando em perigo outras mulheres. Não faça isso só por você!

 

Táticas usadas por estupradores:

O ritual de uma agressão sexual, em princípio, pode ser dividido em 5 etapas:

  1. SELEÇÃO DE VÍTIMAS – A vítima é selecionada com base nas motivações do agressor. Pode ser pré-selecionado ou apenas ocasionalmente. Em ambos os casos, o agressor aguardará a possível vítima para ser VULNERÁVEL e/ou ISOLADA.
  2. ABORDAGEM – A abordagem consiste em aproximar-se da vítima e consiste em três estágios:
    • Induzir a vítima a acompanhar o agressor.
    • Surpreendendo a vítima.
    • Avassalador e agredindo a vítima.
  1. INÍCIO DA AGRESSÃO – O agressor mantém o controle da vítima através de mera presença, ameaças ou força física.
  2. VIOLÊNCIA SEXUAL – Execução de violência sexual
  3. A LIBERAÇÃO – É durante essa fase que o agressor decide se deve punir fisicamente a vítima ou matá-la.

 

Opções para a vítima durante um assalto

Durante uma agressão, a vítima pode escolher entre uma série de comportamentos para adotar.

Alguns estudos têm examinado os comportamentos defensivos das vítimas de violência sexual, as estratégias a serem implementadas para evitar o estupro e os comportamentos das vítimas que são sinal de vulnerabilidade do mesmo.

A análise das diferentes estratégias de reação retiradas da literatura, aliada à experiência clínica de estudiosos com autores de estupros que confessaram e estupraram vítimas, permitiu definir uma tipologia das estratégias de resposta.

Em relação às medidas a tomar, a vítima deve levar em conta o tipo de estuprador, as circunstâncias, as condições ambientais, a situação em geral e suas habilidades pessoais e escolher uma (ou mais de uma) das seguintes alternativas:

A Fuga

A fuga, no caso de uma agressão, continua sendo a melhor resposta quando pode ser empregada com sucesso.

É óbvio que, se a vítima estiver sozinha, em um lugar isolado sem saída, ou quando é atacada por vários agressores, tentar escapar não poderia ter sucesso, na verdade seria muito arriscado.

A probabilidade de fugir também pode diminuir no caso de você se deparar com um agressor jovem e atlético.

Por outro lado, caso a vítima esteja em uma área urbana, não há armas, ou há outras pessoas por perto e não há outros tipos de impedimentos, como ligaduras dos membros, as chances de sucesso da fuga crescem muito.

No entanto, é sempre importante ter cautela, pois para um bom percentual de agressores, uma tentativa de fuga pela vítima só serviria para aumentar a agressividade da agressão.

 

Resistência verbalmente confrontante

Estratégia que consiste em gritar e desabafar a raiva para chamar a atenção para si mesmo (por exemplo, “deixe-me ir” ou ” irembora“).

A intenção dessas atitudes é enviar, no início da agressão, a mensagem de que a vítima não tem intenção de ser submetida ao agressor.

 

Resistência fisicamente confrontante

A resistência física vai desde respostas moderadas (contorcer-se, debater), até mesmo respostas muito violentas (golpeando com força e violência partes vulneráveis do agressor como, rosto, garganta, genitais com intenções de feri-lo ou até mesmo matá-lo).

São reações ditadas pelo contexto e fatores críticos como o local da agressão, a presença de uma arma, a probabilidade de ser ajudada, o tamanho físico e a força do agressor e o grau de violência da agressão.

No entanto, a vítima deve esperar que, em muitos casos, sua resistência física possa ser respondida pelo aumento da violência de agressão.

 

Respostas verbais sem comparação

Essas respostas visam dissuadir o agressor (por exemplo).Eu sou virgem“, ou “Eu tenho menstruação“), despertar empatia (entreter sua atenção conversando com ele, ouvindo-o e tentando respondê-lo mostrando-se sincero), sendo sincero (“Estou com medo“) ou negociar (“vamos falar sobre isso” ou “vamos tomar uma cerveja”)a fim de tomar tempo e elaborar a estratégia certa para escapar.

Embora o fato de discutir com o agressor possa ser uma ferramenta útil para reduzir o grau de violência da agressão, no entanto, não é eficaz em fazê-lo parar completamente.

Infelizmente, durante a excitação de uma agressão sexual, a maioria dos estupradores não se importa com as necessidades e o estado físico da vítima (por exemplo, o fato de ele ter menstruação).

O importante é que a vítima evite referências como “eu tenho AIDS“, ou ” estougrávida“, bem como declarações que poderiam encorajar a fantasia patológica do agressor de que a vítima é “ruim” ou que ele tem hábitos promíscuos e, consequentemente, é digno de ser estuprada.

A maneira mais segura de envolver o agressor em um diálogo é apelar para sua humanidade, sendo extremamente sincero e focando na situação imediata (por exemplo).Sou um total desconhecido. Por que você quer me machucar? Eu não fiz nada para te machucar.“).

 

Resistência física não confrontativa

Essa técnica significa fazer uma resistência ativa que, no entanto, não envolve diretamente o agressor (como no caso da Resistência oposicional física).

Essas técnicas de resistência podem ser simuladas ou completamente reais, espontâneas e incontroláveis.

Reações simuladas podem incluir, por exemplo, desmaios, mutismo, epilepsia ou ataques apopléticos.

Os involuntários e reais incluem choro, mutismo, náusea e perda de controle de esfíncter.

Essas reações podem oferecer uma oportunidade para a vítima, mas sendo fortemente subjetivas e não são confiáveis.

 

submissão

A submissão não implica uma reação ofensiva ou defensiva para evitar agressão.

Muitas vezes é o resultado da paralisia causada pelo medo, terror ou pela crença de que tais reações servem para salvar a vida da vítima.

Na maioria dos casos, no entanto, a submissão só serve como último recurso quando qualquer tentativa de acabar com a agressão falhou.

A submissão poderia, no entanto, ser interpretada pelo agressor como uma espécie de participação da vítima e, consequentemente, aumentar a intensidade da agressão.

Em geral, a decisão de renunciar ou submeter-se ao agressor é determinada pela violência da própria agressão, ou pelo estado emocional da vítima ou pelo medo específico (como estupro ou morte).

Muitas mulheres são capazes de lutar mesmo com o conhecimento de que terão que ceder, outras aceitam e se sentem confortáveis com qualquer ação que acreditem ser necessária para sobreviver à agressão com o mínimo de dano físico e mental.

Se as estratégias anteriores para evitar a agressão falharam, submissão é considerada a melhor estratégia para salvar a vida e minimizar os danos físicos em uma situação como agressão sexual, mas é importante que a vítima esteja calma nessa escolha e ao mesmo tempo esteja ciente do fato de que a culpa após a agressão provavelmente pode se manifestar.

 

estuprador

Como lidar com a agressão sexual

Uma coisa que você precisa saber é que uma agressão gera outra agressão, estudiosos e especialistas no assunto sabem que é isso que acontece e extensos estudos de caso e estudos comportamentais comprovam isso.

Quando a raiva e a agressão vão além do necessário para ter a submissão da vítima, uma reação violenta de confronto com o agressor só gera um aumento adicional da violência na agressão e isso pode colocar a vítima em uma situação de risco de danos físicos graves se a reação não nocautear o agressor psicologicamente ou fisicamente.

Por esta razão, recomendo que você não use a violência como primeira reação à violência se você não tiver certeza do que faz, porque você só poderia piorar a situação.

O estuprador geralmente está convencido de que tem todo o direito sexual sobre a vítima, e usará toda a força física necessária para obter a submissão da vítima; a reação do confronto físico com o agressor nesses casos pode ser imprudente a menos que a vítima tenha certeza de nocautear o agressor.

Inicialmente, a melhor estratégia parece ser encorajar o estuprador a começar a falar sobre si mesmo, aproveitando seu narcisismo para fazer a vítima aparecer em sua cabeça como uma pessoa real, em vez de um objeto sexualizado.

A escolha da estratégia de confronto com o agressor

Estratégias físicas não-confrontantes às vezes podem funcionar, mas tendem a não ser muito eficazes sendo altamente desagradáveis e detestadas pelo estuprador individual, depende muito de quem é o agressor.

Algumas dessas reações são espontâneas e involuntárias, instintivas, como tentar falar ou responder fisicamente reagindo violentamente, mas seria apropriado para a vítima ser capaz de dominar essas reações caso piorem a situação ou encontrar o momento certo para explodir uma reação violenta.

Infelizmente, aqueles que lidam com o treinamento relacionado à autodefesa feminina para o trabalho sabem que é muito complicado nesses momentos poder pensar, pois o efeito surpresa e o alto nível de estresse não permitem que você tenha a lucidez para raciocinar fazendo prevalecer o instinto.

Se a vítima não consegue estabelecer uma conversa com seu agressor e a agressão continua, aumenta ou até parece ser insana, com violência homicida, a vítima deve tentar lutar com todos os meios que tem à sua disposição (bater nos olhos e genitais do agressor, ou atingi-lo com um objeto contundente, etc.).

Se o agressor ficar lá você precisa reagir imediatamente

Agora, se o agressor permanecer após o confronto verbal, não estiver armado e responder com ameaças ou retaliações, a vítima deve imediatamente se opor a ele resistência física batendo nele com todos os meios e ferramentas disponíveis (chutes e socos, objetos, etc.).

Se a resposta do agressor à sua reação defensiva é um aumento da raiva e da violência, então é apropriado que a vítima deixe de resistir fisicamente.

A reação recomendada com estupradores é “em palavras” ou seja, verbal,e palavras devem ser usadas para convencer o agressor de que a vítima não é a pessoa que ele odiava (por exemplo, “Parece-me que você está realmente com raiva de alguém, mas não pode ser eu. Nós nunca nos conhecemos antes“).

Deve, em vez disso, evitar declarações que possam justificar,na mente do estuprador, a agressão porque é sempre perigoso provocar a imaginação desses homens.

Não há alternativas?

Se parece que não há respostas seguras e eficazes para sair dessa situação, a vítima deve tentar fazer as coisas necessárias para poder sair da situação, como fingir participar da agressão e, no momento crítico, agir de surpresa e atingir o agressor nas partes vulneráveis com o máximo de malícia possível.

Tentar criar uma oportunidade onde você pode bater e machucar efetivamente pode ser uma boa solução e é um tempo que pode ser útil e necessário para a vítima processar e transformar o medo em raiva e a sensação de desamparo em uma luta pela sobrevivência.

Infelizmente, a maioria das recomendações feitas a potenciais vítimas em momento de pânico são muito prováveis de serem esquecidas, técnicas, estratégias, etc. porque quando a vítima se depara com o potencial estuprador, não há treinamento ou treinamento que possa garantir que você o torne lúcido e eficaz em um momento de tão alto estresse.

A vítima nesse momento pode perder a cabeça ou não ter o tempo necessário para avaliar as diferentes reações a serem colocadas em prática.

Certamente o treinamento pode ajudá-lo, mas nenhuma simulação pode fazer você sentir a sensação de estresse e medo de uma agressão real e é melhor nunca descobrir se é possível.

Estuprador, na cabeça do agressor sexual Fighting Tips - Street Fight Mentality & Fight Sport

As estratégias expressas podem ser resumidas da seguinte forma:

1) Tentar estabelecer uma relação verbal com o agressor; Se não funcionar… >

2) A vítima deve imediatamente tomar a ofensiva e atacar o agressor com agressão física moderada (chutes, socos); Se não funcionar… >

3) Tente acalmar a raiva do agressor envolvendo-o em uma conversa e tornando-se crível em seus olhos; para remover dele a fantasia de acordo com a qual você é uma pessoa a quem ele quer fazer mal. Prepare a situação para uma tentativa de fuga, dizendo-lhe, por exemplo, “vamos tomar uma bebida”; Se não funcionar… >

4) Use confrontos violentos e realize cada ação exclusivamente com os meios à sua disposição (chutes, socos, mordidas, golpe com uma vara ou pedra) para incapacitar o agressor e evitar estupros ou possíveis lesões físicas às vezes até fatais.

Conclusões

O estupro, quando real, é uma das violações mais humilhantes e degradantes que existe!.

Este assunto é muito complexo e realmente também requer um certo nível de cautela, pois infelizmente são temas muito sensíveis e que, infelizmente, as estatísticas confirmam que é uma forma de violência muito difundida e muitas vezes até pouco relatada.

Espero que possa ser útil para você sem nunca ter que se importar.

Fiquem atentos!

Mentalidade de Luta de Rua

Andrea

What do you think?

Written by Andrea

Instructor and enthusiast of Self Defence and Fight Sport.

# Boxing / Muay Thai / Brazilian Jiu Jitsu / Grappling / CSW / MMA / Method & Training.
# Self Defence / FMA / Dirty Boxing / Silat / Jeet Kune Do & Kali / Fencing Knife / Stick Fighting / Weapons / Firearms / Strategy.

Street Fight Mentality & Fight Sport!

State Of Love And Trust!

Other: Engineer / Professional Blogger / Bass Player / Knifemaker

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *