in

Posição de guarda na iminência de um ataque

porta-wells-2-1300x680 Posição de guarda na iminência de um ataque

Nos estágios iniciais de um ataque físico, uma posição de guarda apropriada pode ser um elemento decisivo na resolução da situação.

Vamos lidar com os aspectos práticos de natureza técnica, psicológica e jurídica.

Muitas vezes a pergunta se repete, especialmente entre os entusiastas das artes marciais, o dilema de qual posição de guarda é mais adequado na iminência de um ataque.

Aqui também há algo para todos os “gostos”:

  • Boxeadores e estilos filipinos
    (panantukan)
    apresentam-se com a pose clássica com punhos levantados para cobrir o rosto, com pernas ligeiramente flexionadas, muito móveis e rápidos em movimentos.
  • Praticantes de luta livre com suas mãos avançadas se aproximam e pés descansando no chão na íntegra para ter um baixo centro de gravidade
  • Praticantes de muay thai com uma alta guarda avançada e alto centro de gravidade com os pés com o calcanhar levantado.
  • Marcials orientais, da escola japonesa com as posições clássicas de Kiba dachi: posição de cavaleiro (alguns adicionam “ferro”),
  • Ou marcialistas que praticam artes chinesas na forma de seu estilo,
  • Wing Chung praticantes em sua guarda típica, Man-sao, Wu-sao – > Man Sao (“procurando mão”), a mão mais avançada, Wu Sao (“mão protetora”), a mão para trás
  • Etc.

Ps. Há também aqueles que recorrem às poses mais ou menos imaginativas que certas filmografias nos tornaram familiares.

Todos, obviamente, tendem a apoiar a bondade de sua abordagem motivando-a mais ou menos tecnicamente, mas falando em autodefesa a posição da guarda na iminência de um ataque é algo diferente, é um guarda oculto, caso contrário é melhor que você ataque imediatamente porque avisar alguém a única coisa que você está se comunicando e que o agressor entende é que você quer lutar.

Mas o que você precisa entender é que a posição de guarda é um elemento fundamental,capaz em alguns casos de decidir o destino de uma agressão, por exemplo, dissuadindo a energia de prosseguir em suas intenções ou colocando-o em uma posição para não ser surpreendido por um ataque repentino.

rage-1564031_1920-1024x606 Posição de guarda na iminência de um ataque

A posição de guarda na iminência de um ataque consiste em dois aspectos:

  • técnico
  • psicológico

ambos os aspectos você tem que estudá-los em cada detalhe.

 

O aspecto técnico:

Uma posição de guarda, seja ela qual for, visa facilitar a execução das várias técnicas, dos vários movimentos ou, se preferir, ser capaz de executar todas as táticas ofensivas e defensivas que você é capaz de implementar.

Por essa razão, o boxeador, que usa apenas os punhos para atacar, coloca-se nessa pose funcional para o tipo de ação que ele deve realizar.

O praticante de Muay Thai prefere uma postura com maior centro de gravidade, favorável ao uso de chutes.

O praticante do Jiu-Jitsu brasileiro prefere uma postura com menor centro de gravidade, favorável ao uso de projeções.

Outros elementos que determinam a posição do guarda são a manutenção do equilíbrio (essencial para resistir a um ataque), a mobilidade necessária (essencial para atacar e esquivar-se) e a proteção de pontos vitais do corpo.

Assim, dependendo da disciplina aprendida, os marcialistas optarão por uma posição móvel e relativamente vertical (por exemplo, como a guarda “alta” dos boxeadores) ou no extremo oposto para uma posição mais rígida, com um centro de gravidade muito baixo, como no Shotokan Karate, onde a grande mobilidade do footwork com tiros em combinação do boxeador é preferível recorrer a golpes únicos e devastadores com os braços e pernas.

 

O aspecto psicológico:

A posição de guarda é a representação em termos de linguagem corporal de estarmos prontos para reagir, e sermos capazes de fazê-lo de forma tecnicamente eficaz.

Resumindo, você quer bater!

Falando em legítima defesa, a pergunta que você precisa se perguntar é a seguinte:

“Se você está na iminência de uma agressão, é útil e apropriado fazer uma pose de combate, inspirada em uma arte marcial tradicional?”

A resposta é não!! , tanto por razões psicológicas quanto técnicas.

A primeira consideração a ser feita é em termos de adequação ao contexto e ao cenário típico de uma agressão.

A rua não é a academia.

Uma coisa é fazer sparring ou kumite dentro das paredes seguras da academia, uma coisa é enfrentar um personagem sorrateiro e mutável como um agressor moderno.

É um mundo sem regras, onde a única coisa que você precisa saber é… que não há regras.

 

self-defence Posição de guarda na iminência de um ataque

Não é dito que você será desafiado de forma aberta pelo seu carrasco, que poderia se aproximar com um pretexto e depois bater em você traiçoeiramente, ou ele poderia brigar com você e bater em você um momento depois de dizer que ele não quer brigar!.

Se você é ou não desafiado a uma zona de tenzone singular, se você é ou não abordado com suspeita, reagir colocando-se em uma pose de combate é prejudicial por uma série de razões.

Automaticamente o nível do confronto é elevado, favorecendo uma escalada e, portanto, o resultado sangrento.

Se alguém se aproximar de você para discutir e você imediatamente se passar por um boxeador, com os punhos à vista, automaticamente o outro se sentirá desafiado e uma escaramuça verbal banal se transformará em uma luta.

Pior ainda para as pessoas que, apesar de não possuírem qualquer preparação marcial técnica, posam para Bruce Lee apenas porque eles viram isso feito no cinema.

Loucura, é como aparecer em um tiroteio com uma arma de brinquedo.

As mulheres que praticam artes marciais estão particularmente em risco, deste ponto de vista, como o assediador, ou o aspirante a estuprador acabou de conhecer, poderia compreender o aspecto de desafio comunicado por uma pose de combate, em termos de provocação no nível de seu ego viril, atacando assim com toda a força que ele é capaz, porque na sua frente você não tem uma boa pessoa e talvez ele seja aquele que gosta de vencer mulheres, agrada a ela, preenche seu ego.

Há também um aspecto de inadequação ao contexto regulatório a ser levar em conta porque, como você sabe, quase nunca as testemunhas (se houver alguma) intervêm na defesa daqueles que precisam deles.

A polícia, por sua vez, caso interviessem, uma das primeiras coisas que fazem é justamente identificar os presentes para coletar sua versão dos fatos. Imagine o que acontece se uma dessas testemunhas disser “bem, em algum momento aquela lá se avisou como Mike Tyson e o socou…”, no final você se torna o agressor!.

Um dos sentimentos que sinto, nesses casos, é como aos olhos da Lei ninguém é mais despovoado do que o cidadão que se defende de um criminoso: mais do que os artigos do Código de Processo Penal que regulam a legítima defesa, o que mais surpreende é a interpretação restritiva que juízes e magistrados tendem a dar.

Nunca se descubra que aquele que se defendeu pratica artes marciais: o juiz ou magistrado, pularia na cadeira perguntando-lhe por que, tendo tal treinamento, ele não fez o agressor inofensivo com uma leve torção do braço, em vez de nocauteá-lo com um punho noqueixo.

Assim, a posição de guarda de rua, que também de alguma forma é
necessário
assumir, deve satisfazer uma série de necessidades mais do que o que acontece na academia.

As artes marciais geralmente não oferecem soluções convincentes, embora Jeet Kune Do e Krav Maga, que vem se tornando moda nos últimos anos, parecem pelo menos levar a questão em conta.

Essas artes marciais ou sistemas que são propostos como métodos de combate de rua (embora no caso de Krav Maga suas origens sejam militares) fornecem ambos, mas no caso de Jeet Kune Do é o primeiro guarda que é ensinado, uma posição de guarda sutil e enganosa, com mãos altas e abertas, com palmeiras para a frente, quase na atitude daqueles que não querem prejudicar.

Lembra-se de Jennifer Lopez em seu filme “Longe do Pesadelo”?

Na cena materna, ela enfrenta o vilão (e marido, no filme) Billy Campbell em um duelo mortal onde algumas tomadas sugestivas têm como protagonista a bela Jennifer naquela estranha e contraditória posição de guarda.

O aspecto sutil e contraditório da colocação de JKD e Krav Maga consiste em seu duplo valor: de rendição aparente (não quero prejudicar) e de prontidão à ação.

Essas mãos abertas, na verdade, podem avançar repentinamente e atingir alvos vitais, ou capazes de torná-la incapaz de continuar a agressão em um instante: olhos, garganta, por exemplo.

Esta ilustração, nos permite introduzir um dos aspectos fundamentais em termos de táticas e estratégia, a ser mantida na iminência de uma luta: a dissimulação.

Se quisermos falar sobre qual posição tomar na iminência de uma agressão, devemos primeiro dar um pequeno passo atrás e esclarecer que a agressão é, na verdade, um evento quase sempre dividido em fases.

Dificilmente o agressor se materializa do nada, a meio metro de nós, e começa a nos massacrar com barris: quase sempre, no entanto, há rituais de abordagem,talvez muito rápidos, que de alguma forma são característicos de cada tipo de agressor.

Pode ser um pretexto, ou uma “entrevista” feita de intimidação e ameaças.

No entanto, a sequência de eventos que levam à violência geralmente começa a uma certa distância, seguida por uma abordagem física progressiva dos competidores.

Disso deriva o fato de que, qualquer que seja a posição de guarda que você escolheu, é inútil e inapropriado colocar-se em tal pose quando o outro ainda está à distância.

Se o energumeno ainda está a poucos metros de nós e ainda não parece determinado a se aproximar, primeiro podemos tentar fazer um pouco de desescalada talvez usando as técnicas de comunicação assertivas que muitas vezes falamos.

Do ponto de vista postural, seria simplesmente uma questão de implementar uma maneira correta de estar na frente de um indivíduo cujas intenções não são conhecidas, com uma postura relaxada, mas pronta para agir.

Somente se a situação precipitar e seu agressor se aproximar demais,então você deve assumir imediatamente uma posição de guarda real, mas com características e propósitos precisos:

  • Tente acalmar ou dissuadir o batedor
  • Proteja seu corpo o máximo possível
  • Habilite uma reação rápida e eficaz no caso de um ataque
  • Permita um “ataque preventivo” relâmpago se você entender que a situação não é mais gerenciável.
  • Comunique-se com qualquer testemunha que, olhando para a cena, deve entender na hora que o agressor não é você.

“Sua” posição de guarda, deve dissuadir, mas não provocar,deve ser ereto, relaxado, com a cabeça bem para trás, com os braços e pernas posicionados de modo a delimitar a distância que seu agressor não pode atravessar sem bater em você (e ser atingido).

Não fique com os braços pendurados ou pernas largas para mostrar que você não tem medo e que você é um cara durão: você imediatamente leva um soco na cara ou um chute nas bolas.

NUNCA subestime seu agressor ou tenha uma atitude dura.

Guardar o Armas Alto, Estendida em Pode entrar mas não Muitocom o Cotovelos Baixo quem Proteger o corpo, com o Mãos Abriro Dedos verso o alto e na altura de rosto (Lembrar o Papa: “paz e bem”).

Não mantenha os braços estendidos e rígidos,mova-os com um movimento contínuo, mas lento, para cima e para baixo, no gesto daqueles que querem trazer alguém de volta à calma.

Quem te vê, deve ter a ideia de que você está tentando se acalmar e manter seu agressor à distância.

Suas mãos dianteiras são na verdade sua proteção (se a postura estiver correta, o oponente não consegue atingir um de seus pontos vitais, também perturbado pelo movimento rítmico dos braços), e eles são suas antenas.

O atacante pode avançar, mas antes de bater em você ele deve primeiro tocar suas mãos ou braço.

Atenção à posição de suas pernas:

O peso do corpo deve estar na perna traseira com a ponta na direção do agressor, enquanto o frontal que está iluminado do peso, deve estar pronto para se levantar para parar um chute de entrada ou uma carga do agressor com o pé para dentro de cerca de 30 graus.

Esta posição das pernas:

  • constitui uma proteção passiva do abdômen inferior: observe a visão frontal com a ponta do pé para a frente girada, juntamente com o joelho, em direção ao centro do corpo,
  • enquanto ainda permite um bom equilíbrio, constitui uma proteção eficaz contra chutes na virilha,
  • é um detalhe de incrível importância!

Lembre-se que não é um esporte de combate é futebol nas bolas é algo que muitas vezes é usado se você deixar espaço.

Nunca fique na frente do agressor, mas tente ficar na diagonal na lateral da mão e na perna avançada.

O agressor tentará se mover e se virar procurando um alvo, mas você deve, por sua vez, mover-se, tentando manter a postura dissuasiva “dissuasiva” e, ao mesmo tempo, Difícil de Tomar em Ihs lado fraco (o do braço e da perna para a frente como eu lhe disse antes), porque é menos carregado do que os membros atrás.

Se ele se aproximar ou se aproximar de você, Não dificilmente sentir o contato ou você Toca, pega seu braço fraco o que está à sua frente (seria o mais próximo de você se você fizesse tudo certo) e Bater com todo seu força, com seu braço mais válido, possivelmente na mandíbula, entre o queixo e a orelha.

Agora não faz sentido escrever o que fazer porque as variáveis são tantas, mas o que eu quero dizer é:

NÃO HESITE EM ATACAR COM VIOLÊNCIA, PARA MACHUCAR.

E continue batendo ou fugindo o mais longe que puder e vá e informe o que aconteceu.

Sua regra é salvar sua pele! Pare, o resto vem depois.

Fiquem atentos!

Street Fight Mentalidade e Esporte luta

Andrea

What do you think?

Written by Andrea

Instructor and enthusiast of Self Defence and Fight Sport.

# Boxing / Muay Thai / Brazilian Jiu Jitsu / Grappling / CSW / MMA / Method & Training.
# Self Defence / FMA / Dirty Boxing / Silat / Jeet Kune Do & Kali / Fencing Knife / Stick Fighting / Weapons / Firearms / Strategy.

Street Fight Mentality & Fight Sport!

State Of Love And Trust!

Other: Engineer / Professional Blogger / Bass Player / Knifemaker

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *