in

Sobrevivendo a um ataque com faca

Knife-is-not-a-game-2- Sobrevivendo a um ataque com faca

Sobrevivendo a um ataque com faca

É um tema que ouvimos cada vez mais sobre porque as notícias nos falam sobre ataques realizados com o uso de facas.

Não é de hoje, mas a faca sempre foi a arma mais usada, o instrumento que passou pela história da humanidade e que permanece em sua simplicidade uma das armas mais mortais já criadas.

Como pode ver, escrevi sobre sobreviver porque é uma das mais complexas condições de sobrevivência quando se trata de agressão pessoal com faca de defesa.

Vamos começar com uma distinção que é sobreviver de um ataque de faca de mãos nuas ou armados com armas próprias(armas de fogo, facas) ou armas impróprias e finalmente usando armas improvisadas.

Agora uma premissa fundamental sobre o ataque de uma faca escondida que não deixa muitas chances de não receber o primeiro golpe porque é feita precisamente traição após uma discussão anterior ou outras razões e O agressor vem até você atrás de você quando você não espera ou finge se desculpar.

Neste tipo de ataque com faca ou ataque com faca a emboscada ocorre atrás das costas ou com uma desculpa para se aproximar da vítima, é uma situação perigosa.

Esse tipo de ataque é geralmente realizado como resultado de uma discussão ou geralmente em círculos criminais ou prisões para negócios ou outras discussões.

IMG_9281 Sobrevivendo a um ataque com faca

A detenção de lâminas, facas e armas brancas em geral de acordo com a lei

O mais importante e isso deve ficar claro para todos aqueles que estão lendo este artigo é o seguinte: segurar uma faca de qualquer forma ou comprimento, fora de sua casa, é por lei considerada crime.

Estamos literalmente mencionando o art. 699 do Código Penal: “quem, sem a licença das autoridades, quando a licença for exigida, carrega uma arma para fora de casa ou nos pertences dela, é punido com prisão de até dezoito meses”.

Deve-se ressaltar também que, de acordo com a lei, o conceito de “arma” não se limita a armas de fogo ou facas, mas se estende a qualquer objeto suscepto de ofender e para o qual não há justificativa para sua detenção: por exemplo, uma vara de madeira ou um objeto de ferro longo e contundente também pode estar dentro dessa definição.

Os ataques com facas na sociedade, no entanto, estão aumentando por várias razões:

  • O baixo custo e a fácil disponibilidade de facas de todos os tipos formam e cor a preços muito baixos em lojas asiáticas onde também há muitas facas de marcas falsas famosas.
  • bem como para a proliferação de vídeos do YouTube e “cursos” em que o uso de tal arma é imprudentemente ensinado a todos os “pagadores”, sem uma análise preventiva e escrupulosa do aluno (basta pensar que apenas algumas lições são suficientes em que os princípios do uso da faca são ensinados a tornar uma pessoa muito perigosa)
  • a fácil ocultação de armas de corte que podem ser transportadas praticamente em qualquer lugar sem ser visto.

Sobre o tema YouTube e vídeos de “mestre” / mestres / instrutores de faca e a ética de mostrar esse tipo de ensino sem um “filtro” vou fazer um post específico.

Agora imaginar que você tem que lidar com uma facada é uma das situações mais complexas de combate humano e é uma situação de alto risco, independentemente das capacidades do agressor, isso eu quero destacar porque a faca é uma ferramenta usada por todos, pelo tipo de arma e pelo comprimento do mesmo.

Até uma faca pequena pode matar!

Ataques com facas podem ser realizados principalmente por dois modelos de atacantes:

  • o ocasional
  • o especialista e
  • o criminoso.

O ocasional é aquele atacante que acidentalmente encontrou uma faca ou ferramenta semelhante (como uma garrafa quebrada) e a usa a fim de transformar um confronto a seu favor, ou se ele conscientemente a carrega, sem saber seu uso como uma “regra da arte”.

O especialista, por outro lado, é aquele que carrega a arma com conhecimento dos fatos, que sabe como usá-la e conhece suas vantagens e muito poucos limites.

Ambos os tipos são extremamente perigosos e, paradoxalmente, por razões diametralmente opostas.

Ocasionalmente não percebe o perigo de sua arma e, embora ele não a use com pleno conhecimento dos fatos, ele corre o risco de causar danos muito graves de forma “preterintencional”.

O especialista, por outro lado, é um sujeito que conhece perfeitamente sua arma, bem como o potencial e os efeitos; muitas vezes adapta a faca às suas necessidades físicas, quando ele nem sequer tem uma construída para medir, ele treina na luta, escondendo a arma e extraindo-a rapidamente e também sabe, com base no resultado que ele quer alcançar, onde, como e quando cortar.

Ao contrário do usuário ocasional, o especialista é capaz de calibrar sua ofensiva com o propósito de:

  • apenas para ameaçar/assustar;
  • “apenas” doer ligeiramente (aviso);
  • machucar mais seriamente e permanentemente;
  • Matar.

O resultado da agressão de um especialista no uso da faca raramente será “preterintentional”.

A característica mais perturbadora, no entanto, é que o especialista treina para procurar estratégias úteis no uso da arma.

Na prática, criará uma situação adequada para atacar, implementar comportamentos e qualquer outra coisa necessária, para garantir que todas as variáveis do confronto sejam a seu favor.

O princípio básico para o qual a arma branca deve ser considerada muito perigosa é que, além de armas de fogo e algumas armas de arremesso, não requer força física por parte do usuário para criar feridas mortais.

Mesmo um oponente, exausto por forças físicas (por exemplo, caído no chão), pode levar um golpe fatal com uma faca, talvez expirando o último suspiro.

 

Aplicação da lei

O conceito acima deve ser necessariamente sempre levado em conta nas ações de segurança da polícia ou em defesa pessoal: você nunca deve deixar um suspeito desacompanhado, se não cuidadosamente revistado, mesmo que esteja em más condições físicas e também você deve sempre saber o que deve procurar e acima de tudo onde.

Vamos dar um exemplo.

Durante um posto de controle, um carro força o bloqueio.

Durante a próxima perseguição, o carro tem um acidente.

O ocupante parece estar em uma condição precária e o utensílio sanitário o carrega e o transporta até o carro médico.

Se, durante o transporte, ele, por várias razões, voltar, ninguém pode saber o que pode acontecer com aqueles próximos a ele, se ele tem uma faca ou ferramenta semelhante sobre ele.

Cuidado que uma arma de fogo é muito mais difícil de esconder do que uma pequena lâmina.

É essencial que o operador de segurança conheça muito bem os aspectos descritos acima, a fim de identificar o modelo de atacante com base na ferramenta que é “felizmente” encontrada no invasor, por exemplo, após uma busca pessoal.

Deve ficar claro a partir de agora que quando estamos lidando com um suspeito escondendo nele uma faca modificada e/ou adaptada ou, pior ainda, uma ferramenta feita por ele mesmo para usá-la como arma de corte, nunca estamos lidando com um descuido, mas certamente com um especialista que poderia adotar uma estratégia precisa e, em qualquer caso, com um usuário que certamente não carrega a arma aleatoriamente e de boa fé.

A estratégia muitas vezes inclui:

  • a partir da criação de uma “faca” não convencional, adequada para o uso que se pretende ser feita dela e suas características físicas;
  • do treinamento específico ao uso de tal arma;
  • a partir da elaboração de uma justificativa, no caso de um operador de polícia, encontrá-lo sobre ele, pede explicações;
  • da busca por uma ocultação correta em sua própria pessoa
  • de um projeto operacional unitário. Tal assunto deve ser observado com especial atenção, não deixando nada ao acaso.

Caso seja encontrada uma busca pessoal, facas modificadas ou ferramentas acima, é necessário continuar a busca com cuidado particular, pois o que foi encontrado pode não ser a única arma que o suspeito carrega em si mesmo.

Uma avaliação incorreta desse aspecto pode levar a uma situação de grave perigo.

No carro, na verdade, pode haver uma pessoa que, embora algemada, ainda carrega uma faca que ele vai usar, a seu favor, no momento mais oportuno.

Deve-se ter em mente que é bastante normal para os outros colegas do operador policial ou Carabinieri que realizaram a busca pessoal para assumir que a pessoa queeles estão transportando é “limpa”.

A pessoa de má fé, armada ou desarmada, em comparação com o operador de segurança, sempre tem a grande vantagem da iniciativa.

Na verdade, raramente, durante uma verificação, o operador sabe ou sabe com quem está lidando, enquanto o delinquente sabe muito bem o que o que está na frente dele e vestindo um uniforme representa para ele.

Para tentar superar a desvantagem, deve-se sempre prestar a máxima atenção à suspeita, observando-a e desenhando informações inestimáveis sobre como ela se comporta, a fim de prever uma possível reação.

Tudo deve ser avaliado:

  • as roupas usadas (se estão ou não em consonância com a estação ou temperatura),
  • a maneira de mover suas mãos,
  • a direção do olhar,
  • Etc.

No entanto, apesar de toda essa atenção, nem sempre é possível evitar a agressão.

Para o bem da sobrevivência, devemos ter em mente dois princípios.

  • A primeira é considerar “faca” tudo o que pode cortar e /ou perfurar, de qualquer forma que ela seja e com qualquer material que seja feito.
  • A segunda é que quando você se defende de um ataque de faca, sem usar armas de fogo, você sempre sofre cortes.

Para efeitos desta escrita, é a hipótese de que a faca é usada para ameaçar ou atacar.

A ameaça pode ocorrer remotamente ou em contato.

No primeiro caso, embora não existam modelos comportamentais precisos, podemos dizer que a arma é certamente extraída, ostensiva, muitas vezes carregando cortes no ar que formam uma espécie de X ou símbolo de infinito invertido, ou cortes horizontais repetidos e, em alguns casos, muito mais raramente, indícios de pequenos pulmões emblemáticos.

No caso de uma ameaça de contato, o agressor segura o agressor perto dele, de diferentes formas, o assalto e a arma é muito próximo da vítima, se não sequer em contato (faca na garganta, barriga ou costas, etc.).

A característica que identifica todas as ameaças é o pedido verbal do que você quer alcançar ou a motivação da agressão.

A ameaça, comparada ao ataque real, sempre deixa espaço para negociação e, se for eficaz, pode evitar uma conclusão trágica.

Se o pedido do agressor consiste na entrega de bens materiais,deve-se sempre ceder: nada vale o risco de ser cortado.

Se, por outro lado, formos ameaçados de retaliação contra nós, é absolutamente essencial que usemos as negociações.

O objetivo principal das negociações deve ser tomar tempo, que deve ser usado para raciocinar e, se as negociações não levarem ao fim da ameaça, a reagir.

Uma ameaça de faca, comparada a uma com armas de fogo, infelizmente resolve rapidamente, por uma série de razões, incluindo: contato próximo com a vítima que também gera estresse no agressor e segurança parcial que dá a faca em relação à arma de fogo.

Para ser reagida, a reação deve ser realizada de forma relâmpago, utilizando técnicas adequadas para cada tipo específico de ameaça.

Os padrões motores das reações devem ser estudados e repetidos para criar uma ação muito fluida e rápida, como pegar o agressor de surpresa.

Na medida do possível, o treinamento também deve incluir simulações que ajudem a superar o bloqueio psicológico que o drama da situação gera.

No caso específico do operador de segurança pública, dois casos devem ser distinguidos, ou seja, se ele é um agente armado com uma arma de fogo ou desarmado, como alguns policiais locais.

Se o operador está armado, a ameaça remota é muito rara e, se assim for, muitas vezes não é sobre ele, mas sobre um refém no local.

A ameaça em contato, por outro lado, pode surgir e muitas vezes assume a forma do objetivo principal de assumir a arma da portaria.

Quanto à agressão de mortos-vivos, os cenários que surgem ao agente são múltiplos.

Se o agressor é um “descuidado”, seu ataque poderia (nestes casos o condicional é sempre uma obrigação) ser previsível o suficiente, com movimentos amplos para enfatizar a força da facada (esta forma de usar a faca está no jargão chamado “puxar paus com a faca”), o ataque poderia ser improvisado e precedido por movimentos preparatórios que dariam ao agente tempo para se preparar e , se possível, para também fazer uso da arma da portaria.

Se, por outro lado, o agressor é um especialista, a situação é visivelmente diferente.

Seu ataque será repentino, sem movimentos preparatórios, seguindo uma estratégia.

O agressor se aproximará do oficial, distrairá ou acalmará, e sacar a arma atingiria imediatamente o alvo.

A partir de uma análise desses exemplos simples, pode-se ver como eles são fundamentais para sobreviver nesta situação:

  • a distância segura mínima da unidade operacional individual do suspeito;
  • a manutenção constante da distância segura mínima;
  • o posicionamento correto, com cobertura mútua, das várias unidades operacionais;
  • conhecimento de alguns comportamentos típicos que eu posso ajudar a prever a agressão;
  • controle constante do comportamento do suspeito, com especial atenção aos movimentos das mãos, tentando sempre tê-los à vista;
  • uma consciência correta do risco;
  • aptidão física adequada, que pode permitir os movimentos rápidos de defesa que os ataques de faca requerem para serem devidamente gerenciados para serem implementados;
  • um conhecimento de técnicas de defesa e seu treinamento constante.

 

A pergunta frequentemente feita é se é possível se defender contra ataques com facas?

Existem técnicas e estratégias para sobreviver?

Atacantes e ladrões armados com facas estão entre os mais perigosos, e a fuga muitas vezes é a melhor escolha, além de evitar ser um herói em caso de roubo, entregando sua bolsa, smartphone ou corrente de ouro.

Explicar como você pode se defender de ataques carregados com uma faca ou qualquer arma branca é uma espécie de paradoxo no campo da defesa pessoal se você não começar a partir do estudo da esgrima de faca curta porque seria como explicar para ir para debaixo d’água antes de aprender a nadar, você definitivamente ir para debaixo d’água, mas você não pode subir mais.

Knife Sobrevivendo a um ataque com faca

Ataques com facas são bastante raros em conflitos e disputas que são desencadeados por razões triviais, embora os casos estejam aumentando devido ao aumento do transporte de armas de fogo, apesar de as legislaturas de cada país proibirem seu transporte;

O uso de uma faca como equalizador por um possível agressor com a finalidade de roubo ou ameaça é muito comum no caso de assaltos com a finalidade de roubo.

As vantagens de quem usa uma faca sobre aqueles que dependem apenas de suas mãos é que cada tiro gera danos como cortar feridas ou puncsure.

Ataque com faca pode ter consequências muito sérias para sua segurança e você não precisa explicar muito por que é fácil para alguém entender, é um instinto atávico para a arma.

Afinal, o corte de armas vem ocorrendo desde os tempos antigos com o uso de ferramentas afiadas, e assim por diante, e que as lâminas sempre desempenharam um papel decisivo nos conflitos, em todas as formas mais variadas, desde espadas, lanças, escotilhas, flechas, etc.

Embora hoje existam armas de fogo muito mais letais e destrutivas do que facas, o uso de lâminas tem permanecido uma constante em todas as artes e cultura de guerra e combate e em crimes na sociedade.

A faca na sociedade moderna tem permanecido e muitas vezes é a solução para inúmeros conflitos privados, além de ser uma ajuda temível para quem quer atacar, roubar e roubar os infelizes em serviço;

As consequências do uso da faca para cometer crimes ou brigas também podem levar a confrontos mortais.

Knife-Attack-05 Sobrevivendo a um ataque com faca

A defesa contra a agressão à faca? Não existe como é explicado e muitas vezes ensinado!

esgrima de faca!

Muitas vezes no cinema vemos o ator de plantão facilmente desarmando seus agressores armados com uma faca ou arma, tudo isso está muito longe da realidade porque aqueles que querem atirar em você fazem isso de perto, mas longe o suficiente para não serem tocados e no caso da faca tentando desarmar com a mão nua é equivalente a ser cortado, esfaqueado com as consequências que você pode imaginar.

A capacidade ofensiva de uma faca é muito alta!

A faca, como eu disse antes, mesmo nas mãos de um tolo total pode vir a ser uma arma letal porque todos nós a usamos e entendemos como funciona.

Muitas vezes aqueles que têm o hábito de andar por aí com uma faca no bolso e, portanto, estão cometendo um crime são uma pessoa que certamente sabe como lidar com um mínimo se já o usou para ameaçar ou ferir alguém.

Infelizmente, um especialista em facas é praticamente impossível de lidar.

Escapar quando possível é sempre a melhor escolha

Claramente existem formas de defesa para neutralizar ataques com facas, mas elas dizem respeito ao estudo da esgrima de faca curta e ao uso de ferramentas comuns ou outros meios de defesa, o conceito de mão nua deve ser reescrito, bem como o conceito de desarmamento.

Mão nua e desarmamento com a faca são poucos para entender seu significado em um contexto real e é conversa distante para discutir se eles funcionam ou não funcionam, mas estes são princípios que não dizem respeito em si mesmos a mão nua ou alguma alavanca para desarmar.

Especialmente no campo das artes marciais tradicionais e sistemas de defesa, essas técnicas muitas vezes imaginativas não são contadas, mas na realidade de um contexto não cooperativo e violência como o da agressão são absolutamente inexequíveis.

Defendendo sua vida de um ataque com facadas

Se eles te ameaçarem com uma faca com o propósito de roubar sua carteira ou o que eles lhe pedirem, e parar.

Então vá fazer a reclamação, mas com suas próprias pernas e sem lesões se não a de orgulho que você não tem que se preocupar em situações como esta.

Você absolutamente não deve arriscar ferir-se seriamente, ficar marcado ou morrer para o bem material.

A única situação em que você tem que tentar uma “defesa” é quando você tem certeza de que o propósito do agressor é matá-lo, agressão sexual, então quando não há propósito de roubo ou ameaça intimidadora.

Mas a defesa é feita quando você também pode criar uma fuga nem sempre significa bater para nocautear o atacante.

Também sobre a fuga haveria para dizer por que nem sempre é possível fazê-lo, depende da sua condição física e do ambiente em que você está.

Então, só se você entender que o atacante quer machucá-lo ou matá-lo então você tem que usar qualquer meio para esperar sobreviver.

A defesa na rua contra um atacante de mãos vazias é muito diferente da defesa contra o corte de armas.

São formações totalmente diferentes apesar de terem alguns aspectos comuns, mas o conceito de desfilar ou esquivar-se com armas de corte é totalmente diferente porque é uma arma que perfura, é uma arma que pode cortar tanto no caminho quanto em troca e não precisa especialmente se a arma está bem afiada com força.

Em nossa equipe de trabalho fazemos um treinamento muito minucioso de esgrima de faca e faca (Faca de Esgrima) também com vistas à defesa pessoal com arma de corte, mas é informação que pela ética não divulgamos até pessoalmente.

Nesta questão haveria abrir um debate aprofundado na comunidade marcial, mas muitas vezes a lógica do ganho pessoal vai além da ética sem contar a quantidade de charlatães que mostram coisas longe da realidade enquanto criticam o cinema, mas mostram coisas que pelo menos no cinema fazem as pessoas gostarem.

Fiquem atentos!

Mentalidade de Luta de Rua

What do you think?

Written by Andrea

Instructor and enthusiast of Martial Arts and Fight Sport.

- Boxing / Muay Thai / Brazilian Jiu Jitsu / Grappling / CSW / MMA.
- Self Defence / FMA / Dirty Boxing / Silat / Jeet Kune Do & Kali / Fencing Knife / Stick Fighting / Weapons / Firearms.

Street Fight Mentality & Fight Sport! State Of Love And Trust!

Other: Engineer / Professional Blogger / Bass Player / Knifemaker

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *